OUÇA NOSSAS RÁDIOS CRIADAS
COM EXCLUSIVIDADE
PARA NOSSOS OUVINTES
FAÇA SEU
CADASTRO
FALE COM A ALPHA

12 filmes para refletir sobre Consciência Negra

Confira produções que abordam a situação do negro no Brasil e no mundo

invictus-morgan-freeman.jpg

Na semana que antecede o dia da Consciência Negra, conheça 12 excelentes filmes que estimulam a reflexão sobre a situação do negro no Brasil e no mundo


No dia da Consciência Negra, que marca a morte de Zumbi dos Palmares na mesma data, em 1695, a Alpha FM lista 12 filmes que têm a questão racial como tema. Programa bom no feriado para refletir, questionar e agir!


1 - Conduzindo Miss Daisy (1989)



O filme, dirigido pelo australiano Bruce Beresford trata de temas como preconceito racial, distâncias entre as classes sociais e envelhecimento de forma suave, até com humor.


O longa se passa em Atlanta, 1948. Uma rica judia de 72 anos (Jessica Tandy) joga acidentalmente seu Packard novo em folha no jardim premiado do seu vizinho. O filho (Dan Aykroyd) dela tenta convencê-la de que seria o ideal ela ter um motorista, mas ela resiste a esta ideia. Mesmo assim o filho contrata um afro-americano (Morgan Freeman) como motorista. Inicialmente ela recusa ser conduzida por este novo empregado, mas gradativamente ele quebra as barreiras sociais, culturais e raciais que existem entre eles, crescendo entre os dois uma amizade que atravessaria duas décadas.


2 - Faça a Coisa Certa (1989)



Do diretor Spike Lee, “Faça a Coisa Certa” conta a história de Sal (Danny Aiello), um ítalo-americano, dono de uma pizzaria em Bedford-Stuyvesant, Brooklyn. 


Com predominância de negros e latinos, é uma das áreas mais pobres de Nova York. Sal é um cara boa praça, que comanda a pizzaria juntamente com seus filhos Vito (Richard Edson) e Pino (John Turturro), além de ser ajudado por Mookie (Spike Lee). Ele decora seu estabelecimento com fotografias de ídolos ítalo-americanos dos esportes e do cinema, o que desagrada sua freguesia. No dia mais quente do ano, Buggin’ Out (Giancarlo Esposito), o ativista local, vai até lá para comer uma fatia de pizza e reclama por não existirem negros na “Parede da Fama”. Este incidente trivial é o ponto de partida para um efeito dominó, que não terminará bem.


3 – A outra história americana – 1998



O filme de Tony Kaye é considerado um dos melhores sobre o tema racial da década de 1990 e não poupa o espectador da violência e do ódio ao mostrar os crimes de uma gangue racista de skin heads, formada por integrantes neonazistas, nos Estados Unidos. O longa tem o poder de mostrar como o ódio racial acaba com a vida tanto de agressores quanto de agredidos, e é contundente, principalmente pela mensagem e pela ótima interpretação de Edward Norton.


4 – Amistad – 1998



Baseado em fatos reais, o filme relata a incrível história de um grupo de escravos africanos que se rebela e se apodera do controle do navio que os transporta e tenta retornar à sua terra de origem. Quando o navio, La Amistad, é aprisionado, esses escravos são levados para os Estados Unidos, onde são acusados de assassinato e são jogados em uma prisão à espera do seu destino. Uma empolgante batalha se inicia, o que capta o interesse de toda a nação e confronta os alicerces do sistema judiciário norte-americano. Entretanto, para os homens e mulheres sendo julgados, trata-se simplesmente de uma luta pelos diretos básicos de toda a humanidade: a liberdade.


5 – A negação do Brasil – 2001



O documentário de Joel Zito Araújo faz uma passagem na história da telenovela no Brasil e particularmente uma análise do papel nelas atribuído aos atores negros, que sempre representam personagens mais estereotipados e negativos. Baseado em suas memórias e em fortes evidências de pesquisas, o diretor aponta as influências das telenovelas nos processos de identidade étnica dos afro-brasileiros e faz um manifesto pela incorporação positiva do negro nas imagens televisivas do país.


6 – Quanto Vale ou é por quilo? – 2005



Quanto Vale ou É Por Quilo? É uma adaptação livre do diretor Sérgio Bianchi para o conto “Pai contra Mãe”, de Machado de Assis. O filme faz um painel de duas épocas aparentemente distintas, mas, no fundo, semelhantes na manutenção de uma perversa dinâmica sócio-econômica, embalada pela corrupção impune, pela violência e pelas enormes diferenças sociais. No século XVIII, época da escravidão explícita, os capitães do mato caçavam negros para vendê-los aos senhores de terra com um único objetivo: o lucro. Nos dias atuais, o chamado Terceiro Setor explora a miséria, preenchendo a ausência do Estado em atividades assistenciais, que na verdade também são fontes de muito lucro. Com humor afinado e um elenco poucas vezes reunido pelo cinema nacional, “Quanto Vale ou É Por Quilo?” mostra que o tempo passa e nada muda. O Brasil é um país em permanente crise de valores.


7- Agosto Negro – 2007



O filme “Agosto Negro”, dirigido por Samm Styles  mostra a história de George Lester Jackson, um ativista recluso que liderou um dos mais violentos motins na história de San Quentin, após ser condenado à pena injusta por roubar US$ 71,00.


A curta vida do ativista, interpretado por Gary Dourdan (da série CSI), se torna o estopim para uma revolução, dando início à mais sangrenta rebelião ocorrida em toda a história do presídio de San Quentin.


“Agosto Negro” narra a jornada espiritual e a violenta fé de Jackson, desde sua condenação por roubar 71 dólares de um posto de gasolina até galvanizar a Família Black Guerrilla com seu incendiário livro, criado a partir de cartas, “Soledad Brother”.


Jackson também espalhou ferocidade nos corredores de San Quentin em um dia de agosto, quando seu irmão mais novo, Jonathan, chocou o país ao fazer refém toda uma corte de justiça na Califórnia, em protesto pelo julgamento de Jackson.


Para o militante George Jackson, a revolução não era uma escolha, mas sim uma necessidade.


8 – Besouro – 2010



O filme, de João Daniel Tikhomiroff, se passa na década de 20. No interior os negros continuavam sendo tratados como escravos, apesar da abolição da escravatura ter ocorrido décadas antes. Entre eles está Manoel (Aílton Carmo), que quando criança foi apresentado à capoeira pelo Mestre Alípio (Macalé). O tutor tentou ensiná-lo não apenas os golpes da capoeira, mas também as virtudes da concentração e da justiça. A escolha pelo nome Besouro foi devido à identificação que Manuel teve com o inseto, que segundo suas características não deveria voar. Ao crescer Besouro recebe a função de defender seu povo, combatendo a opressão e o preconceito existentes.


9- Bróder – 2011



Capão Redondo, bairro de São Paulo. Macu (Caio Blat), Jaiminho (Jonathan Haagensen) e Pibe (Sílvio Guindane) são amigos desde a infância e seguiram caminhos distintos ao crescer. Jaiminho tornou-se jogador de futebol, alcançando a fama. Pibe vive com Cláudia e tem um filho com ela, precisando trabalhar muito para pagar as contas de casa. Já Macu entrou para o mundo do crime e está envolvido com os preparativos de um sequestro. Uma festa surpresa organizada por dona Sonia (Cássia Kiss), mãe de Macu, faz com que os três amigos se reencontrem. Em meio à alegria pelo reencontro, a sombra do mundo do crime ameaça a amizade do trio.


10 – Histórias Cruzadas – 2012



Nos anos 60, a jovem jornalista Skeeter (Emma Stone) tenta emplacar seu primeiro trabalho e decide escrever sobre as mulheres negras que ajudam a criar os filhos das brancas em sua cidade natal. Através da parceria com sua primeira entrevistada, a corajosa Aibileen (Viola Davis) que a ajuda a convencer outras empregadas a falarem sobre suas rotinas, ela levanta a discussão sobre o racismo, até então silencioso, na região. Mas desagradar gente poderosa se torna o maior obstáculo para Skeeter e Aibileen.


11 – 12 anos de escravidão – 2013



O filme vencedor de três Oscar – melhor filme, atriz coadjuvante para Lupita Nyong’o e roteiro adaptado – conta a história real de Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor) um violinista negro e livre que, por volta de 1840, é enganado e vendido como escravo para as fazendas do sul americano. Sem ter como provar sua real identidade por 12 anos, ele passa uma série de sofrimentos físicos e emocionais por estar distante de sua família e da vocação de sua vida. Enquanto lida com a crueldade dos senhores, Northup tenta ajudar a amiga Patsey, vivida por Lupita, que é tão brutalizada a ponto de quer se matar. São muitos os obstáculos até que consiga finalmente se libertar.


12 – Invictus – 2009



Dirigido por Clint Eastwood, Invictus retrata o início do governo Mandela na África do Sul e os desafios que o presidente (Morgan Freeman) encontrou: uma nação em que o ódio e a desconfiança entre negros e brancos mesmo após o Apartheid inspirava desunião e entraves para o desenvolvimento do país. Ele então tem uma ideia: incentivar o time de rugby do país, até então detestado localmente por ser totalmente branco, para que o esporte possa unir o povo. A partir daí, ele divide com o capitão da equipe o poema Invictus, que o ajudou a superar os difíceis 30 anos que passou na prisão por lutar pelos direitos dos negros.

LEIA TAMBÉM

O Centro Cultural Banco do Brasil é palco da 14ª Mostra Melhores Filmes do Ano

“The Square”: o filme estrangeiro premiado

Atores estrangeiros brilham no cinema nacional

# BODY