OUÇA NOSSAS RÁDIOS CRIADAS
COM EXCLUSIVIDADE
PARA NOSSOS OUVINTES
FAÇA SEU
CADASTRO
FAZER LOGIN FALE COM A ALPHA
logotipo_flutuante Acesse a Alpha FM de São Paulo

CNSEG

Qual a necessidade de ter um seguro cibernético para as empresas? - 19/04

No mundo, os ataques cibernéticos têm crescido bastante. O Brasil perdeu cerca de 22 bilhões de dólares em 2017 com esses ataques. O crime cibernético está se tornando um dos principais assuntos do momento.

O gerente de Linhas Financeiras da AIG Seguros e membro da Comissão de Linhas Financeiras da Federação Nacional de Seguros Gerais, Flavio Sá, esclarece que a tendência é de que todas as empresas passem a adotar medidas de proteção.

"Hoje, o Seguro de Cyber é mais do que necessário e, basicamente, todas as empresas que possuem dados ou que, de alguma forma, se relacionem com o mundo cibernético, tem essa exposição".

Saiba como se proteger de ataques de hackers - 18/04

Não são apenas as empresas que precisam se preocupar com a proteção de seus dados. Pessoas também estão expostas. Todos nós, hoje em dia, possuímos um smartphone com uma grande quantidade de dados. Ataques de hackers, onde os dados são sequestrados através de criptografia, podem acontecer a qualquer um.

Existe uma série de medidas que podem ser implementadas pelas pessoas para aumentar a proteção aos ataques cibernéticos.

Preste bem atenção: use senhas em tudo que puder; proteja suas contas no iCloud e no Google ; tenha cuidando com os Apps que você instala; utilize técnicas de criptografia para proteger a autenticidade das informações e crie o hábito de fazer backup dos seus dados.

Conheça dos tipos de cobertura do seguro cibernético - 17/04

Seguro Cibernético tem coberturas para empresas contratantes e também para terceiros. É uma proteção dos próprios negócios da empresa e uma cobertura de custos legais e de lucros perdidos no caso de uma falha nos sistemas de dados, resultando ou não na exposição das informações dos clientes. 

As coberturas incluem todos os custos pós ataque hacker e vasamento de dados, além dos gastos de uma investigação forense e de contratação de técnicos e de uma equipe de gerenciamento de crise. As apólices de Seguro Cibernético, assim como as de Seguro de Vida ou contra incêndio, são feitas por período anual.

O que é seguro cibernético? - 16/04

No mundo digital, as empresas utilizam cada vez mais a tecnologia para compartilhar informações. Apesar da vantagem de agilizar o serviço, há o temor de prejuízos e estragos de reputação caso haja vazamento de dados pessoais e financeiros de terceiros. Por isso, muitas companhias temendo esses golpes virtuais contratam Seguros Cibernéticos.
 
Diferente do antivírus que trabalha para prevenir, o Seguro Cibernético oferece ajuda depois que seus contratantes foram infectados. Nestes casos, a apólice repassa à seguradora as responsabilidades sobre os danos, dando garantia ao segurado — de acordo, claro, com o contrato.
 
Seguro Cibernético tem coberturas para empresas contratantes e também para terceiros.

Seguro residencial e serviços de conveniência - 13/04

Você sabia que o seguro residencial tem serviços de conveniência? Dependendo do plano contratado, é possível ter garantia de mão-de-obra para consertos gerais, como chaveiro, reparos elétricos e hidráulicos, além do conserto de diversos bens. Confira as explicações do presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Danilo Silveira.

Saiba sobre os serviços de conveniência do seguro residencial - 12/04

Você sabia que o seguro residencial tem serviços de conveniência? Dependendo do plano contratado, é possível ter garantia de mão-de-obra para consertos gerais, como chaveiro, reparos elétricos e hidráulicos, além do conserto de diversos bens. Confira as explicações do presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Danilo Silveira.

Veja quais são as coberturas básicas e adicionais do seguro residencial - 11/04

As coberturas básicas do Seguro Residencial oferecem proteção contra incêndio, queda de raio e explosão. Mas existem também as coberturas adicionais, que podem ser contratadas a parte, dependendo da sua necessidade. Com elas é possível garantir proteção para danos elétricos, hidráulicos, roubo ou furto qualificado de bens, entre outros danos.

Qual a diferença entre seguro de condomínio e residencial? - 10/04

Muita gente ainda confunde o Seguro de Condomínio e o Seguro Residencial, mas são produtos bem diferentes. Enquanto o de condomínio é obrigatório e oferece cobertura básica para incêndio, queda de raio e explosão nas áreas comuns de prédios e condomínios, o residencial protege os bens na parte interna do imóvel.

Além disso, o segurado pode contratar coberturas adicionais como a de Responsabilidade Civil Familiar, que garantem proteção contra danos causados a terceiros. Por exemplo, se um vazamento de água no seu apartamento danificar o imóvel do seu vizinho, ele será ressarcido.

Saiba mais sobre o seguro residencial - 09/04

Seguro Residencial tem preço acessível e pode ser contratado por pessoas físicas e jurídicas, proprietárias e inquilinas de um imóvel, de moradia ou temporada.

De acordo com o presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da FenSeg, Danilo Silveira, o Seguro Residencial custa, em média, cerca R$ 350,00 por ano, oferecendo uma cobertura adequada para proteção contra acidentes.

Saiba porque comprar um seguro é mais difícil - 06/04

Porque é mais fácil comprar uma TV ou um carro que comprar um seguro?”, indaga a jornalista Mara Luquet ao presidente da CNseg, Marcio Coriolano, em mais um programa Sintonizado no Seguro.

Segundo Coriolano, produtos como TV, geladeira e fogão têm utilidade direta e facilmente compreendida pelos consumidores, podendo ser imediatamente utilizados após a aquisição. Já no caso dos seguros, a maioria referem-se a proteções para o futuro que os consumidores desejariam jamais precisar utilizar.

“As pessoas não acordam com vontade de comprar seguro. Elas vão passando a ter consciência da necessidade e importância dele ao longo da vida”, concluiu o presidente da CNseg.

Mitos e verdades sobre os Títulos de Capitalização - 05/04

O Sintonizado no Seguro de hoje entrevista o diretor Executivo da FenaCap, Carlos Alberto dos Santos Corrêa, que aborda os mitos e verdades sobre os Títulos de Capitalização.

Os Títulos de Capitalização são um investimento?

Título de Capitalização não é investimento. Na verdade, ele serve como instrumento de educação financeira, onde a pessoa faz a guarda mensal de um montante de dinheiro para que possa realizar, no futuro, um plano com esse dinheiro.

Loteria é a mesma coisa que Título de Capitalização?

Na Loteria, se a pessoa não for sorteada, perde o dinheiro da aposta. Na Capitalização, se não for sorteada uma ou mais vezes durante a vigência do contrato, ela resgata, no final, o dinheiro corrigido pela TR.

O que é Título de Garantia Locatícia? - 04/04

Sabia que o Título de Capitalização também pode ser utilizado para aluguel de imóveis residenciais e corporativos?

Estamos falando do Título de Garantia Locatícia, produto que substitui o fiador e diminui a burocracia do aluguel. 

A contratação pode ser feita em imobiliárias credenciadas ou diretamente com o proprietário do imóvel.

A Federação Nacional de Capitalização (FenaCap) destaca que, assim como nas demais modalidades de Títulos de Capitalização,  o inquilino concorre a todos os sorteios programados ao longo da vigência do contrato e, ao fim do prazo, resgata todo o valor pago pelo Título, corrigido pela TR, se o imóvel for entregue nas condições encontradas. 

Como resgatar o dinheiro que você juntou no Título de Capitalização? - 03/04

Neste  boletim da CNSEG - a Confederação das Seguradoras, você vai entender um pouco mais sobre como funciona o resgate em capitalização.
 
Existem três possibilidades de resgatar o dinheiro que você juntou no título de capitalização.
 
A primeira possibilidade é o resgate antecipado, que ocorre antes do fim da vigência do título.
A segunda é quando o seu título é sorteado. E a terceira possibilidade de resgate ocorre após o término de vigência do título contratado.
 
Vale ressaltar, que todo título possui prazos de vigência e carência estabelecidos. A vigência é o tempo total do plano. Já a carência representa o prazo mínimo para que o cliente possa fazer o resgate dos pagamentos já realizados. Mas, atenção: você só resgata 100% do dinheiro guardado ao fim da vigência.  

Quais os cuidados necessários na hora de contratar um seguro? - 30/03

Quais os cuidados necessários na hora de contratar um seguro? Essa é a questão colocada pela jornalista Mara Luquet ao presidente CNseg, Marcio Coriolano, em mais uma edição do Sintonizado no Seguro.

Em primeiro lugar, afirmou Coriolano, "desconfie de qualquer oferta mirabolante, como preço muito baixo ou condição de contratação relâmpago. O consumidor precisa saber se está comprando mesmo um produto de seguro."

"E como saber se quem está me oferecendo uma oferta é mesmo uma seguradora regulada?", indaga Mara.

Basta entrar no site da ANS para os casos de planos de saúde ou no site da Susep para os demais seguros, explica Coriolano. "Nesses espaços, é possível saber se a seguradora existe ou não, se sofre algum processo e se tem uma boa qualificação, no caso das operadoras de saúde. O consumidor hoje está muito empoderado para saber se está sendo enganado ou não."

O que é o plano de saúde coletivo por adesão? - 29/03

plano de saúde coletivo por adesão é uma modalidade de serviço que é oferecido por uma pessoa jurídica a um determinado grupo de pessoas, com contrato firmado entre as partes.

Os integrantes do plano se tornam titulares e ganham direito de acesso aos serviços de assistência médica e coberturas oferecidas pelo plano de saúde contratado.

Para contratar esse tipo de plano, a pessoa precisa estar inserida em alguma entidade, como sindicatos ou qualquer associação profissional.

O que é o plano de saúde coletivo empresarial? - 28/03

A Saúde Suplementar no Brasil é a atividade que envolve a operação de planos e seguros privados de assistência médica à saúde. 

plano de saúde coletivo empresarial é um benefício altamente valorizado no mercado de trabalho. A contraração é feita pela empresa para garantir a saúde de seus funcionários e colaboradores. Como dependentes, seus familiares podem participar, sendo respeitados os graus de parentesco previstos na legislação. 

Saiba a diferença entre planos de saúde empresarial e por adesão - 27/03

Na Semana da Saúde Suplementar, o Sintonizado no Seguro aborda os diferentes tipos de contrato de planos de saúde.

Atualmente, existem dois tipos de planos de saúde coletivos: empresariais e por adesão.

Os planos de saúde empresariais prestam assistência médica à saúde dos funcionários da empresa contratante graças ao vínculo empregatício ou estatutário. Já os planos de saúde por adesão são contratados por pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setoria, como é o caso de conselhos, sindicatos e demais associações profissionais. 

Vale ressaltar que a Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, é a responsável pela regulação e fiscalização dos planos de saúde.

Você sabe o que é a Lei da Saúde Suplementar? - 26/03

A Lei da Saúde Suplementar no Brasil (9.656/1998) completa duas décadas em 2018. A definição de regras entre operadoras e beneficiários já dura 20 anos mas ainda gera algumas dúvidas. Para esclarecê-las, a CNseg preparou a Semana da Saúde Suplementar, que abordará os diferentes contratos de planos de saúde.

plano individual é oferecido para pessoas físicas. Quando inclui dependentes, o plano passa a ser familiar. O contrato é assinado entre uma operadora de planos de saúde e uma pessoa física, para a assistência do titular e/ou de seu grupo familiar. 

Importante ressaltar que, nesse planos, a operadora poderá estipular que o prazo de vigência mínima do contrato será de um ano, a contar da data da assinatura ou da proposta de adesão ou, ainda, da data de pagamento da mensalidade inicial. O que ocorrer primeiro.

O que é preciso saber antes de contratar um seguro? - 23/03

O que é preciso saber antes de contratar um seguro? Esta foi a questão que norteou a conversa do presidente da CNseg, Marcio Coriolano, com a jornalista Mara Luquet no programa Sintonizado no Seguro desta sexta-feira.

O setor segurador, afirmou Coriolano, é o setor mais regulado que existe, no Brasil e no mundo. E é assim porque lida com poupança popular. Então, para que as seguradoras concorram no mercado, é preciso que, antes, formem um lastro, as chamadas reservas técnicas, para poderem pagar as futuras indenizações.

Mas o consumidor precisa estar atento para saber se está contratando mesmo uma seguradora. Para isso, basta entrar na internet e acessar o órgão regulador - a Susep, no caso dos seguros gerais, ou a ANS, no caso da saúde suplementar, e obter todas as informações que precisa: se a seguradora existe, se está lidando bem com o consumidor, entre outras. 

Saiba o que é a responsabilidade civil familiar - 22/03

Qualquer pessoa pode contratar  um Seguro Residencial, quer seja proprietário ou inquilino do imóvel, inclusive, até as empresas podem contratar esse tipo de seguro.

Mas o que poucos sabem é que há uma cobertura adicional chamada Responsabilidade Civil Familiar. Ela cobre danos causados a terceiros, de forma involuntária, tanto pelo segurado quanto por seus familiares, empregados e até os animais domésticos. 

Por exemplo: se o seu cachorro morder o vizinho e ele entrar com uma ação judicial contra você, tendo contrarado a Responsabilidade Civil Familiar, você estará coberto. Mas atenção, as seguradoras definem como terceiros, quaisquer pessoas estranhas ao convívio do segurado, ou seja, parentes que não moram com você não são considerados terceiros. 

Porque é importante contratar um Seguro de Responsabilidade Civil? - 21/03

Porque é importante contratar um Seguro de Responsabilidade Civil?

O Código Civil diz que quem causa um dano a terceiros é obrigado a repará-lo. Quando uma pessoa causa um acidente, seja por imprudência ou negligência, desde que não seja proposital, ela é obrigada a indenizar esse terceiro. A indenização será em dinheiro ou pela recuperação do bem, ou seja, essa pessoa terá o patrimônio afetado pela indenização que terá que pagar.

E como se proteger disso? Contratando o Seguro de Responsabilidade Civil. Assim, as despesas serão ressarcidas pela seguradora, já que esse produto é um seguro de reembolso. No caso do Seguro de Automóvel, se for verificado que quem contratou o produto realmente causou o acidente, a seguradora escolhe entre indenizar em dinheiro ou reparar o dano causado.

Pessoas jurídicas e o Seguro de Responsabilidade Civil - 20/03

Seguro de Responsabilidade Civil, de diretores e administradores de pessoas jurídicas, conhecido como D&O, garante à empresa que o contrata, que prejuízos causados por esses profissionais sejam ressarcidos pela seguradora.

Se um executivo de uma empresa toda uma decisão, seja sobre algum investimento ou demissão de algum funcionário, e isso gera prejuízo à própria instituição, ao acionista ou até mesmo a terceiros, esse seguro garante cobertura aos danos, caso seja penalizado pelo judiciário lá na frente. 

De um lado, o seguro beneficia a empresa porque ressarce o prejuízo que ela teve e, de outro, beneficia o executivo, já que ele não precisará usar do patrimônio pessoal para arcar com essas despesas causadas pela própria gestão irregular.

Os diferentes seguros de responsabilidade civil - 19/03

Seguro de Responsabilidade Civil pode ser contratado por pessoas físicas e jurídicas.

Para pessoas físicas em geral, como exceção dos autônomos, profissionais liberais e executivos, a proteção pode ser adicionada a outros seguros, como o de Automóvel ou Residencial.

Para pessoas jurídicas, o produto garante cobertura para o prejuízo causado ao cliente pelo proprietário do negócio, já que o valor indenizado pode ser maior que o próprio patrimônio ou negócio.

Seguro é caro? - 16/03

A jornalista Mara Luquet conversa com Marcio Coriolano, presidente da CNSEG, se os brasileiros não compram seguro porque ele é caro.

Dia do Consumidor - 15/03

Dia do Consumidor se comemora hoje, 15 de março. E um dos principais focos do mercado segurador tem sido estabelecer relações mais transparentes com o seu público. 
 
Associações e cooperativas têm oferecido a chamada proteção veicular, produto que pode ser confundido com seguro. Como essas entidades não são fiscalizadas não há garantias, pois a oferta de seguros é regulada por lei! Quem regula o cumprimento dessas normas é a Superintendência de Seguros Privados (Susep). Nos casos de planos de saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Verifique no site dos órgãos reguladores se as empresas estão devidamente registradas.

Saiba mais sobre o título de capitalização - 14/03

O valor do prêmio recebido em sorteio ou o dinheiro resgatado de um Título de Capitalizaçãoencerrado durante o ano de 2017 deve ser informado na declaração do Imposto de Renda (IR). 

Direito à informação no contrato de seguro - 13/03

No Código de Defesa do Consumidor, o principio fundamental da relação de consumo é o direito à informação. O consumidor tem como direito básico a informação adequada sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, composição, qualidade e preço.

No Contrato de Seguro, a informação clara e precisa, é primordial. O segurado deve ter total conhecimento de todas as características do contrato que esta aderindo, ou seja, é necessário que a entidade seguradora disponibilize de forma imediata as condições gerais e especiais da apólice durante a adesão ao contrato.

28 anos do Código de Defesa do Consumidor - 12/03

O Código de Defesa do Consumidor completa 28 anos em setembro. Um cidadão que conhece os seus direitos e deveres legais certamente fará parte de uma sociedade mais justa e esclarecida. 
 
Durante a Semana do Consumidor, os boletins da CNseg trarão orientações para o consumidor de seguros.
 
O setor segurador tem um forte compromisso em expandir a confiança entre os seus consumidores e impulsionar a educação em seguros, por meio de um amplo diálogo com a sociedade, governo, órgãos reguladores e entidades de defesa do consumidor.

Por que as pessoas não têm seguro de carro? - 09/03

A jornalista Mara Luquet conversa com Marcio Coriolano, presidente da CNSEG, por que as pessoas não têm seguro de carro.

Mulheres multitarefas - 08/03

O Dia Internacional da Mulher é comemorado hoje, dia 8 de março. Para comemorar a data, a CNseg aborda assuntos específicos  do segurado feminino.

Multitarefa. É essa a definição que mais se ouve sobre mulheres nos tempos atuais. Elas têm que arrumar tempo para desenvolver atividades profissionais e domésticas de maneira equilibrada.

Sabemos que pelo instinto de proteção que já é natural das mulheres , é grande a procura por seguro residencial, bem como a contratação de seguro de vida e de previdência privada para elas e para os filhos, por exemplo.

Vale ressaltar que o público feminino é cada vez mais representativo na economia.

As mulheres e o seguro de automóvel - 07/03

O setor segurador mostra uma realidade sobre mulheres ao volante: elas dirigem com mais prudência que os homens.

No seguro de automóvel, estatisticamente, as mulheres têm menores taxas de sinistralidade, o que proporciona, em geral, em comparação ao público masculino, preços finais mais baixos.

Além disso, outra característica no mercado feminino é uma ampla cobertura de serviços adicionais (como por exemplo, locomoção, no caso de haver algum tipo de acidente com o veículo), troca de pneus, solicitação de motoristas por incapacidade de direção, etc.

Plano de saúde na hora do parto - 06/03

Caso opte pela cobertura de um plano de saúde, é essencial contratá-lo bem antes de engravidar, pois a carência para parto é de 300 dias! 
 
Ao contratar esse serviço é importante observar os tipos de cobertura, de acomodação e a rede de atendimento. Busque referências! Avalie atentamente os serviços de urgência e emergência, maternidades e profissionais de saúde disponíveis no plano. 

As mulheres no mercado de seguros - 05/03

Na Semana do Dia Internacional da Mulher, os boletins do programa Sintonizado no Seguro, da CNseg, apresentam uma Série Especial abordando a participação feminina no mercado de seguros e as diversas formas de proteção para esse público.
 
As mulheres são protagonistas quando o assunto é gestão do dinheiro. A última pesquisa do IBGE mostra que elas são maioria da população brasileira, passaram a viver mais, têm tido menos filhos e ocupam mais espaço no mercado de trabalho.
 
Quando se fala em seguros, no geral, as mulheres são mais detalhistas e, assim, tendem a comprar mais soluções, em vez de produtos.
 
No segmento de vida, por exemplo, além das próprias coberturas tradicionais, são atrelados também produtos com serviços adicionais, que oferecem, exames de saúde específicos para a mulher.

Veja o que é roubo e furto qualificado - 01/03

Roubo - é caracterizado pela ameaça física verbal ou uso de força bruta.

Furto qualificado - é quando a pessoa não sofre ameaça, mas percebe vestígios do crime.

É importante saber que, o seguro para celular não cobre perda, esquecimento ou furto simples, quando não há vestígios do crime. 

Você sabe o que é franquia? - 28/02

Franquia é a parte que o segurado deve pagar para que a seguradora repare ou indenize o sinistro, ou seja, a coparticipação do segurado nos prejuízos. O valor é informado no contrato que deve ser lido com atenção.

Você sabe o que é risco e sinistro? - 27/02

Risco - É um acontecimento incerto que independe da vontade do segurado ou da seguradora, e que cria a expectativa de um sinistro.

Sinistro - É a materialização do risco, ou seja, quando deixa de ser expectativa ou possibilidade para tornar-se um fato concreto. Exemplo: o incêndio é um risco coberto no contrato de seguro; mas, quando ele ocorre, torna-se um sinistro.

Qual a diferença entre prêmio e segurado? - 26/02

Prêmio - É a quantia em dinheiro que o segurado paga para contratar o seguro. A palavra tem pelo menos duas origens conhecidas: do latim e do grego. Em latim, significa recompensa que se paga a alguém para que faça alguma coisa, ou por ter feito alguma coisa. Nesse sentido, relaciona-se com as raízes históricas da contratação de seguro. Em grego, significa introdução, princípio, ou seja, traduz o significado do pagamento do prêmio, que é dar início à contratação. 

Segurado - Pessoa física ou jurídica que contrata um seguro, contrato bilateral, e que assume o dever de pagar o prêmio e adquire o direito de receber a indenização no valor correspondente à extensão dos danos decorrentes do sinistro ocorrido.

Contratação de seguros e o FIES - 23/02

A jornalista Mara Luquet conversa com Marcio Coriolano, presidente da CNSEG, sobre a exigência do governo de contratação de seguros para o FIES.

Cobertura e indenização são a mesma coisa? - 22/02

Cobertura - É a denominação utilizada para os riscos seguráveis que serão cobertos pelo contrato de seguro. Cada modalidade de seguro tem suas coberturas próprias, como acontece no seguro de automóvel, que tem coberturas para roubo, incêndio, furto e colisão, entre outras possíveis de serem contratadas.

Indenização - Valor a ser pago pela seguradora em cada sinistro ocorrido durante a vigência do contrato, sempre que o sinistro seja decorrente de um risco coberto pelo contrato. A indenização será equivalente à reposição dos danos comprovadamente decorrentes do risco coberto ocorrido durante a vigência do contrato.

Saiba o que significa beneficiário e sinistro - 21/02

Beneficiário - É aquele que recebe a indenização em caso de ocorrência de um sinistro coberto. Por vezes, o beneficiário é o próprio segurado, como acontece nos seguros de danos, quando o segurado recebe a indenização decorrente do furto ocorrido em sua residência. Outras vezes, o beneficiário é uma pessoa indicada pelo segurado, como acontece nos casos de seguros de vida, em que a pessoa indicada pelo segurado receberá o valor da indenização após a ocorrência de sua morte.

Sinistro - É o risco materializado, ou seja, quando deixa de ser expectativa ou possibilidade para se tornar fato concreto. Exemplo: o incêndio é uma possibilidade de risco coberto no contrato de seguro; mas, quando ele ocorre, torna-se um sinistro. A expressão tem origem latina, la sinistra, que significa à esquerda. Segundo a Bíblia, tudo o que for bom estará “à direita de Deus Pai Todo-Poderoso”, portanto o que for ruim estará à esquerda, ou seja, a la sinistra.

Qual a diferença entre acidente e apólice? - 20/02

Acidente - Acontecimento súbito, externo, imprevisto e involuntário do qual resulta um dano a indivíduo ou bem, que, se estiver coberto por um contrato de seguro, será indenizado por uma mutualidade.

Apólice - Documento que contém as informações sobre coberturas, riscos excluídos, casos de perda de direito, valores de cobertura, vigência do contrato, detalhes do interesse legítimo segurado e todas as informações relevantes para as partes contratantes, ou seja, segurado e seguradora. É o contrato de seguro.

Você sabe o que é Título de Capitalização? - 02/04

Nesta semana, você vai acompanhar nos boletins da CNSEG – a Confederação das Seguradorasesclarecimentos gerais sobre Capitalização.

Você sabe o que é título de capitalização? É um título de crédito regulamentado pela  SUSEP (Superintendência de Seguros Privados), adquirido num prazo determinado, com a finalidade de guardar dinheiro e participar de sorteios de prêmios em dinheiro.

Neste produto, o consumidor concorre a prêmios de sorteio  recebendo ao final da vigência seu dinheiro acrescido de reajustes .

Existem quatro modalidades diferentes de título e cada uma delas atende a um perfil de consumidor: tradicional, popular, incentivo e compra programada.

Atenção!  Ao contratar um desses planos, você precisa saber e entender o funcionamento de cada uma das modalidades de títulos de capitalização.

Seguro serve como forma de investimento? - 02/03

A jornalista Mara Luquet conversa com Marcio Coriolano, presidente da CNSEG, se o seguro entra nas alternativas de investimento para o brasileiro.